Fale com o Dictas

Quer saber mais sobre o Dictas? Gostaria de entrar em contato com os nossos executivos de venda?
Envie sua mensagem para a nossa equipe


Por que investir no monitoramento de crônicos?

monitoramento de cronicos

O monitoramento de crônicos é uma das formas mais eficientes de evitar custos desnecessários à operadora de saúde e de garantir o tratamento adequado ao paciente.

Isso porque, o controle de doenças crônicas é feito, na maior parte do tempo, em casa pelo próprio paciente. Quando um crônico deixa uma unidade de saúde, ele se torna o responsável por seguir as recomendações médicas para manejar sua doença. 

Muitos pacientes, no entanto, acabam não tomando os cuidados necessários. Com isso, a condição de saúde se agrava e são necessários novos procedimentos ou internações, gerando novos e elevados custos para a operadora. 

Esses custos poderiam ser evitados se o tratamento da doença fosse realizado da forma prescrita pelo médico. Por isso, é tão fundamental investir no monitoramento de crônicos para garantir a saúde do paciente e das finanças da operadora. 

Primeiramente, fazer esse monitoramento de forma efetiva é um dos principais desafios da gestão da operadora. Como acompanhar dezenas de beneficiários crônicos com uma equipe enxuta? Como desenhar ações preventivas que, de fato, funcionem?

A resposta para está na tecnologia. Com a ferramenta certa, é possível fazer o monitoramento de crônicos de forma eficiente, otimizando o trabalho da equipe.  

Os benefícios de investir no monitoramento de crônicos

O principal benefício de fazer o monitoramento de crônicos é ter as informações necessárias para traçar ações efetivas de prevenção para esse grupo. Pois, com isso, é possível garantir a qualidade de vida dos crônicos e a saúde fiscal da operadora. 

De acordo com a Organização Mundial da Saúde (OMS), doenças crônicas, como diabetes e doenças cardiovasculares, são responsáveis pela morte de cerca de 41 milhões de pessoas anualmente. Isso equivale a 71% do total de mortes no mundo em um ano. 

Para reduzir o número de mortes por doenças crônicas e garantir a qualidade de vida aos pacientes a OMS recomenda o investimento em prevenção. Criar ações específicas para os crônicos ajuda a operadora a prestar um serviço de qualidade e otimizar os recursos. 

No entanto, para realizar ações eficazes é preciso conhecer o perfil epidemiológico dos beneficiários e classificá-los em grupos de risco. Se a operadora não tiver dados confiáveis para dar esse primeiro passo, as consequências podem ser ineficiência e desperdício de recursos. 

Por isso, antes de desenhar essas ações preventivas, a operadora precisa focar no monitoramento. Conhecer os pacientes crônicos e ter acesso integrado a todos os dados do histórico de saúde desses pacientes e só então se concentrar na medicina preventiva. 

Que investir no monitoramento de crônicos melhora a qualidade de vida desses pacientes e garante a escolha de ações efetivas por parte da operadora, já está claro. No entanto, esse não é o único benefício de acompanhar os crônicos. 

Monitorando os pacientes crônicos, a operadora evita gastos futuros com procedimentos que não trarão saúde ao beneficiário. Isso porque, quando o quadro de um paciente crônico se agrava, e sempre existem grandes chances de que isso aconteça sem o tratamento adequado, o paciente pode ter complicações em decorrência da doença. 

Essas complicações levam a novos procedimentos, que não tem foco em trazer qualidade de vida ao beneficiário, mas sim em resolver um problema imediato. Problema esse que pode ser prevenido com o monitoramento de crônicos. 

Esses dois benefícios combinados, geração de saúde ao crônico e otimização dos recursos da operadora, são o objetivo de todo o gestor. Todavia, como fazer esse acompanhamento de forma efetiva? Esse processo pode parecer um desafio, mas com a ajuda de uma tecnologia especialista no assunto se torna muito simples. 

Como fazer o monitoramento de crônicos

A escolha de um processo ou ferramenta para fazer o monitoramento de crônicos, muitas vezes, é a etapa mais complicada para a operadora de saúde. Isso porque, geralmente, as operadoras cometem o erro de pensa que esse é um trabalho que precisa ser feito por muitas pessoas. 

A chave para um monitoramento eficiente, no entanto, não está em ter uma equipe enorme que acompanha por telefone todos os pacientes crônicos. A melhor forma de monitorar esses pacientes está em investir em uma ferramenta especialista nessa tarefa. 

Essa ferramenta deve ser capaz de integrar os dados, cruzá-los e analisá-los para identificar os pacientes crônicos e classificá-los em grupos de risco. Esses grupos de risco precisam ser definidos com base na doença crônica de cada um e também em sua situação de manejo da doença. 

Ferramentas mais avançadas, que usam tecnologias de ponta, conseguem também oferecer sugestões de ações customizadas para cada grupo de risco. Isso é um diferencial importante na hora de contratar uma ferramenta, pois ajuda sua equipe a ter um ponto de partida.

Além disso, o ideal é que a ferramenta tenha também outras funcionalidades, que atendam a operadora de saúde de ponta a ponta. Com isso, é possível criar estratégias inteligentes e integradas de gestão em todas as áreas. 

Resumindo, na hora de escolher a melhor tecnologia, você precisa considerar os seguintes aspectos sobre a ferramenta: 

  • Ser especialista em gestão de saúde
  • Ser capaz de realizar o monitoramento 360, ou seja, considerando todas as especificidades de cada crônico
  • Fornecer informações precisas e confiáveis para a criação de ações de prevenção
  • Oferecer sugestões de ações customizadas para cada tipo de grupo de risco
  • Oferecer funcionalidades além do monitoramento de crônicos.

Observando esses pontos, a operadora consegue escolher a melhor ferramenta para a gestão. Adotar uma tecnologia para fazer o monitoramento de crônicos é a forma mais efetiva de realizar essa atividade, pois otimiza o trabalho da equipe e garante dados precisos e confiáveis.

A tecnologia adequada para monitorar beneficiários crônicos

Como explicamos, a melhor escolha para a operadora de saúde que quer monitorar os crônicos é investir em uma ferramenta que consiga aliar essa funcionalidade a diversas outras importantes para a gestão. Para isso, a melhor opção é o dictas

O dictas é uma plataforma especialista em gestão de saúde, que identifica e classifica os beneficiários crônicos em grupos de risco. Além disso, a ferramenta sugere ações customizadas para garantir a saúde de cada grupo e prevenir gastos desnecessários por parte da operadora.

A ferramenta faz o monitoramento de crônicos usando como fonte de dados as contas médicas dos beneficiários e respeitando as determinações de proteção de dados. Para isso, alia machine learning, inteligência artificial e advanced analytics

Com o dictas, a operadora acessa informações confiáveis e precisas sobre o perfil de saúde dos seus beneficiários e consegue planejar e executar ações efetivas para a prevenção e acompanhamento de doenças crônicas. 

Usando o dictas, você investe na melhor plataforma para monitorar os crônicos, aumentar a  eficiência da gestão em saúde, otimizar o atendimento aos usuários e reduzir custos. Fale com um de nossos especialistas!

Comentários: